Arquivos da categoria: Holanda

Em Caso de Emergência…

help-153094_640

Olá! :)

Um post rapidinho só para dar uma luz sobre o que fazer em caso de emergência aqui na Holanda.

O número que você deve ligar é 112.

Você pode falar em holandês ou inglês (ufa!) e deverá informar se a emergência requer bombeiro, polícia ou ambulância. Também deverá dizer a cidade e o endereço em que está.

Seja o mais detalhista possível enquanto explica o ocorrido. O atendimento já começa no telefone e a atendente ficará conversando e te dando orientações até que o socorro chegue, o que não deve demorar.

Espero que você nunca precise utilizar essa informação, mas é sempre bom saber.

Se tiver alguma dúvida, fique à vontade para conversar comigo aqui nos comentários ou nas redes sociais (Facebook / Twitter) que ficarei feliz em ajudar!

Abraços e até a próxima!

Postado em 13/11/2015

Metade dos Holandeses fazem trabalho voluntário

Postado em 11/11/2015

Olá! :)

Mais um post traduzido para vocês:

Os holandeses são campeões em trabalho voluntário. Quase metade da população da Holanda pratica alguma forma de trabalho voluntário pelo menos uma vez por ano e 30% o pratica mensalmente, de acordo com a estatística nacional realizada pela CBS na quinta-feira, 05 de novembro de 2015.

O novo relatório de “Coesão Social” é sobre o que une e divide os olhares, as tendências da sociedade holandesa em termos de participação e confiança no período de 2012 a 2014. A CBS diz que muitas pessoas estão envolvidas ativamente na sociedade e possuem confiança nela. Trabalho voluntário é uma importante parte desse envolvimento, a CBS afirmou. Não apenas as pessoas confiam umas nas outras, mas isso se expande para o sistema legal, polícia e exército.

O relatório mostra que 3 a cada 10 pessoas possuem contato diário com amigos e família, mas apenas 16% conversam com seus vizinhos com essa frequência. Pessoas com origem imigrante não-ocidental são mais propensas a ter contato diário com amigos e família do que os holandeses, comentou a CBS.

Em comparação ao relatório anterior, de 2010, apesar da crise econômica e política, a “participação e confiança mudaram muito pouco e, a longo prazo, têm melhorado”. Entretanto, religião, país de origem e nível de educação se mantêm divisionistas, o relatório afirma. No geral, quanto mais baixo o nível de educação de alguém, “menos provável de eles se juntarem, de desconfiarem de outras pessoas e das instituições políticas e sociais”.

Fonte: Half the Dutch do voluntary work – expatsHaarlem

Moradores de Amsterdã podem usar pranchas de Stand-up Paddle como meio de transporte

Postado em 06/11/2015

Para se locomover por Amsterdã, na Holanda, você pode optar pelas bicicletas, pelo metrô ou pelo carro, mas há quem prefira se aventurar nos mais de 100 quilômetros de canais que cortam a cidade, resultado de um planejamento urbano centenário. E para isso, nada de barcos, mas a prancha de Stand-up Paddle, ou SUP.

O Stand-up Paddle, esporte que se tornou bastante popular no Brasil durante o último verão, consiste em ficar em pé na prancha enquanto um remo é utilizado para se locomover. Mas o que para nós é diversão, tem potencial para se transformar em um prático e barato meio de transporte alternativo. Hoje, além de empresas de turismo que oferecem tours pela cidade em pranchas do tipo e eventos como o HISWA SUP toch, há quem utilize o SUP como meio de transporte, para ir de casa ao trabalho.

É o caso da ex-jogadora de vôlei Marrit Ieenstra, que todos os dias veste uma roupa de borracha e rema até 35 minutos para ir até o escritório em que trabalha. Uma dica importante? “Não cair.Absolutamente não cair. A água é muito fria aqui“, disse a holandesa, em entrevista ao Globo Esporte.

Como os canais são todos limpos e o tráfego de pequenas embarcações não é tão intenso, o uso do Stand-up Paddle tem se mostrado uma excelente forma de transporte, principalmente durante o verão. Se em Veneza usam-se gôndolas, por que não adotar o SUP em uma cidade como Amsterdã? Confira alguns vídeos e fotos do evento que reuniu centenas de praticantes do SUP nos canais da cidade:

HISWA SUP toch 2014

Fonte: Moradores de Amsterdã podem usar pranchas de Stand-up Paddle como meio de transporte

Sistema de saúde

Postado em 04/11/2015

medical-563427_1920

Olá! :)

Hoje é um daqueles assuntos burocráticos muito importantes para quem planeja morar aqui na Holanda: o sistema de saúde.

Fazer um plano de saúde é obrigatório aqui na Holanda. Ou seja, se você não fizer pode receber uma multa e ser obrigado a pagar todos os meses que você esteve aqui sem tê-lo. Esse é o próximo passo para você cumprir assim que tiver seu BSN (se não sabe o que é, clique aqui).

Existem inúmeros planos de saúde aqui. Apesar de os preços e as características serem bem parecidos, você pode escolher o que quiser.

Além do pacote padrão, opcionalmente, você pode ter outros planos para cobrir, por exemplo, fisioterapia ou dentista.

Esse foi o site que usamos para escolher o nosso plano de saúde. Vou tentar explicar a ideia básica sem me complicar muito: você escolhe quanto vai pagar por mês dependendo de até quanto você quer arcar caso precise utilizar do plano, porque esse cobre a partir de determinada quantia. Por exemplo, você pode pagar cerca de €90 por mês e o plano de saúde cobrir seus gastos a partir de €375. Ou você pode pagar cerca de €70 euros por mês e o plano de saúde cobrir seus gastos depois de você gastar €875.

O plano é anual e depois disso você pode renovar ou mudar de companhia.

Assim que tiver o plano de saúde, você precisa se cadastrar no médico. Você pode escolher o médico que quiser (ele pode te aceitar ou não, dependendo se tiver vagas). Sugere-se que você escolha um perto da sua casa. Esse será o seu médico para qualquer coisa. Se tiver um problema, você passa nele e ele resolve ou te encaminha para onde for necessário. A não ser no caso de emergência que você pode ir direto para o hospital.

Para achar o nosso médico, coloquei no google “huisart in Haarlem” e vi no mapa qual ficava mais perto de casa. Mandei um email e fui até lá fazer meu cadastro. Eles te dão as informações exatas de horários de funcionamento, como marcar consulta, etc.

Se quiser mais informações, tem um post muito legal no blog Brasileiras pelo Mundo, que explica como funciona o atendimento com o médico.

Bom, espero ter ajudado! Se tiver alguma dúvida, fique à vontade para conversar comigo aqui nos comentários ou nas redes sociais (Facebook / Twitter) que ficarei feliz em ajudar!

Abraços e até a próxima!

Educação das Crianças Holandesas

Postado em 27/10/2015

girls-739071_1920

Olá! :)

Hoje vou traduzir aqui para vocês, um post que encontrei falando sobre a maneira como os holandeses educam seus filhos. Eu acho bastante interessante essas diferenças culturais e achei que vocês poderiam gostar também!

No começo do verão, quando chegou, finalmente, a vez da minha filha para um passeio, ela saiu um pouco da fila. Eu saí para trazê-la de volta e fui confrontada por um menino de 5-6 anos que tinha estado atrás de nós.

“Com licença,” ele me disse “Mas agora é minha vez.”

Eu expliquei que nós tínhamos esperado por muito tempo, mas ele teimava em dizer que era o próximo na fila. Há poucos passos, sua avó olhava e não dizia nada. Depois de mais algumas explicações, ele nos deixou ir.

Ele não foi malcriado ou rude – ele foi muito educado. Finalmente, chegamos a um consenso. Mas eu estava surpresa ao perceber quão igual nossa conversa tinha sido: eu não podia me imaginar sendo tão direta com um adulto, muito menos com um estranho, nessa idade.

Eu moro na Holanda, onde eu percebi que muitas crianças têm esse tipo de confiança – de novo, sem ser grosseira. É parecido com algo que eu notei em meu trabalho, aqui há tipicamente uma atmosfera onde qualquer um, em qualquer nível da companhia, é livre e se sente confortável em dar sua opinião.

Franqueza é um traço quase sinônimo de ser holandês e eu falei com a Dra. Krista Okma, consultora sênior no Netherlands Youth Institute, sobre como isso acontece.

Okma explicou que os pais holandeses frequentemente encorajam a negociação com seus filhos. “Negotiation-based parenting” (Parentalidade à base da negociação), como ela chama. Ela disse que essa abordagem “prepara as crianças para sua própria autonomia.”

Enquanto a maioria dos livros ou colunas de conselhos que eu li (principalmente do Reino Unido e dos EUA) deixam claro que você nunca deve negociar com seu(sua) filho(a), Okma disse que sempre deve haver um espaço para discussão – a menos, claro, se for relacionado com segurança.

“Encontre um jeito de ser flexível,” ela sugere “mesmo com crianças pequenas. Deixá-las escolher o que querem vestir, se querem brócolis ou feijão.” E com as crianças maiores, permiti-las questionar suas regras – perguntar por que algo é importante, por que é necessário.

“Isso constrói uma base moral.” ela diz “Quando a pessoa que diz, ‘porque eu disse sim’ não está por perto, a criança continua praticando determinados comportamentos, porque se torna parte de sua estrutura.”

Dessa forma, ela diz, também ajuda a criança a crescer mais aberta e respeitando mais o ponto de vista dos outros. Na era da internet, isso também os ajuda a serem mais críticos, a “pedir por explicação, questionar, não só aceitar e acreditar em tudo o que é dito.”

Encontrar espaço para negociação, usar o tempo para explicar, considerar o ponto de vista da criança não soa terrivelmente irracional e, pelo menos para os pais holandeses, Okma diz que funciona para alcançar seus objetivos com as crianças.

“Nós perguntamos para os pais com quem trabalhamos quais são suas prioridades na criação de seus filhos.” ela disse. “E a resposta mais comum, nessa ordem, é autonomia, assertividade e respeito pelos outros.”

Do meu ponto de vista, parece estar funcionando.

Fonte: Why You Should Encourage Your Kids to Talk Back – expatsHaarlem

Por enquanto, fico por aqui! 😉

Se tiver perguntas, comentários ou sugestões para os próximos posts é só escrever aqui ou nas redes sociais: Facebook / Twitter / Instagram
Até a próxima!

Amsterdam se tornará a primeira “smart city”

Postado em 30/09/2015

Olá! :)

Hoje vou traduzir aqui um post muito interessante sobre uma rede que integrará toda a cidade de Amsterdam.

Dá uma olhada:

Um sistema pioneiro lançado em Amsterdam irá cobrir toda a cidade com um sinal wireless que conecta tudo, de barcos e bicicletas a latas de lixo e luzes da rua.

Uma Internet das Coisas para Amsterdam

Uma nova iniciativa chamada The Things Network quer que toda cidade seja inteligente, e Amsterdam é a primeira da fila.

O empresário holandês Wienke Giezeman teve a ideia do The Things Network (A Rede das Coisas) no começo desse verão, quando ele se deparou com um aparelho barato que usa tecnologia LoRaWAN. Ele percebeu que com apenas dez desses aparelhos, a cidade inteira de Amsterdam poderia ser atendida.

Diferente de iniciativas parecidas em outras cidades, essa foi inteiramente financiada por “crowdsource” (pessoas que se voluntariam a colaborar financeiramente com um projeto) e concluída em apenas seis semanas.

Primeiro barcos, depois bicicletas e navios

Um projeto piloto para provar a viabilidade do sistema foca nos muitos barcos de Amsterdam. Ele permite que os donos dos barcos coloquem um pequeno aparelho nas suas embarcações. Se o barco tiver um vazamento e começar a entrar água, o aparelho vai mandar uma mensagem de texto para uma empresa de manutenção de barcos que irá resolver o problema.

The Things Network também tem o potencial para um sistema de locação de bicicletas e instalações de segurança, e até mesmo o Porto de Amsterdam expressou interesse em usar o sistema.

Ger Baron, o CTO da Cidade de Amsterdam, disse que a força desse sistema é a sua natureza “crowdsourced”.  “As pessoas de Amsterdam investiram nelas mesmas, e a comunidade é a dona do sistema,” ele disse ao The Next Web. “Eu acho que isso nunca aconteceu antes e é interessante ver como as tradicionais empresas de telecomunicações irão cooperar com essa nova ideia disruptiva de construir redes.”

Fonte: Amsterdam to become the first smart city | I amsterdam

Feiras

Olá! :)

Saiu meu post no Brasileiras pelo Mundo sobre as feiras holandesas.

No vídeo e no post, conto um pouco sobre essa atividade bem característica por aqui. Em todas as cidades, é possível ver uma feira na praça principal, geralmente aos sábados.

Como dizem as pessoas que trabalham nas feiras, se você não conseguir encontrar um produto numa feira holandesa, ou ele não existe ou não foi descoberto ainda.

Assiste ao vídeo e dá uma lida no post para saber mais!

Por enquanto, fico por aqui! 😉
Se tiver perguntas, comentários ou sugestões para os próximos posts é só escrever aqui ou nas redes sociais: Facebook / Twitter / Instagram
Até a próxima!